5 passos para a construção de um negócio criativoQualquer economista lhe dirá que o setor criativo é um componente crucial do crescimento econômico e comércio mundial. No curso da última década, tem havido uma significativa tendência de indivíduos que abandonam as vocações tradicionais – tais como a área de saúde – para investir no setor criativo.

Operar um negócio onde o capital intelectual é o seu carro-chefe requer uma abordagem calculada, que difere do modelo de empresas padrão. A consultora Anna James recomenda cinco passos para o estabelecimento de um negócio criativo:

Observar.

Uma armadilha do atual boom no setor criativo é que milhares de designers/escritores/diretores estão penetrando no mercado ao mesmo tempo que você. Existe uma sólida chance de que a sua habilidade será instantaneamente diluída assim que você entrar para a indústria. Designers gráficos, por exemplo, compram-se por um tostão a dúzia, e se você fizer a sua pesquisa verá que tornar-se um designer de mídia interativa – alguém capaz de lidar com gráficos além de som, animação e efeitos digitais – é um conjunto mais valioso de habilidades.

Observe os profissionais da sua indústria e anote o que eles estão fazendo, como estão fazendo e, o mais importante, o que você pode oferecer que seja diferente. De que essa indústria está precisando neste exato momento? O que é único na minha abordagem que raramente é feito pelos outros? Estes são bons pontos de partida (pesquisa de mercado).

Leia mais:   Porque preciso de um Plano de Negócios?

Sua marca.

Agora que você direcionou a sua energia original para um papel criativo, está na hora de definir a sua marca. Ela constitui-se de um grupo de idéias e de abordagens por trás do seu trabalho, que devem ser cimentadas de forma tangível através de uma presença em um website e nas mídias sociais. A montagem de um website é algo que pode sair incrivelmente barato, e o legal dessa indústria é que você pode negociar os seus serviços em permuta por outros, por exemplo, trocar um artigo por uma logomarca personalizada.

Assim que você tiver um cartão, uma logomarca, um email empresarial – idealmente um que coincida com o seu website – e é claro, uma página na web, comece a construir os seus canais junto às mídias sociais. Comece pelo LinkedIn e coloque o máximo de informação possível. Escolha uma outra plataforma (por exemplo, o Twitter, pois ele leva mais tempo para crescer), acrescente a sua informação e comece a adicionar cor.

Produção.

Quando digo adicionar cor, quero dizer, conteúdo. Você nunca convida os amigos para jantar, e então os faz sentar em uma mesa vazia. Para que encorajar alguém a explorar a sua marca, quando você não tem nenhum trabalho para mostrar-lhes? Participantes de mídias sociais são caprichosos; se uma pessoa é direcionada a um “Website Em Construção,” é quase certo que ela não volte nunca mais.

Leia mais:   5 melhores estratégias de marketing para captar clientes na internet

Em um mercado saturado, nada legitimizará melhor o seu negócio do que o trabalho real que você executa. Certifique-se de que você possui algumas postagens em seu cinturão. Anna James afirma que, pessoalmente, teve 100 artigos publicados antes de sentir-se confortável em promover o seu próprio website. Desenterrar os seus arquivos e retocar velhos trabalhos é também uma maneira simples de se produzir conteúdo em seu website, sem precisar de iniciar novos projetos. Esse terceiro passo é provavelmente o mais importante, e o que consome mais tempo.

Planejamento.

Você definiu a sua marca e, cheio de esperanças, esgueirou-se em um nicho lucrativo da indústria de sua escolha. Agora é a hora de planejar. Comece compondo uma lista de empresas, agências e clientes desejáveis, com os quais você gostaria de trabalhar, e que estejam na linha do produto que você está oferecendo. Se você é um escritor, mantenha uma lista de publicações e de editoras capazes de responderem bem ao seu estilo.

Depois mapeie o dinheiro e os centavos; estabeleça quanto você precisa ganhar em seus três primeiros meses para continuar flutuando, e quantas horas você precisará dedicar ao seu negócio para fazer isso acontecer. Ao aventurar-se em uma ocupação criativa, é uma boa idéia possuir um fluxo alternativo e consistente de renda, ou investir em uma poupança temporária (planejamento estratégico empresarial).

Leia mais:   Inovar é bom, difícil é fazer os empregados aceitarem as inovações

Conexões.

Comece com as suas próprias conexões pessoais no Facebook, assim como os seus emails de contato, para localizar pessoas criativas que pensem como você, e que sejam capazes de assisti-lo – ou possam estar interessados em seu negócio. Um simples anúncio através de uma atualização de status e um email dirigindo os seus amigos e conhecidos para o seu novo negócio irá constituir o alicerce sobre o qual o seu público irá aumentando.

Repassando os contatos da indústria que você descobriu durante a fase de observação, comece a voltar-se para os profissionais que estejam em um estágio de suas carreiras similar ao seu. Esses novatos têm uma chance maior de responder aos seus emails, e se você estender um ramo de oliveira é possível que vocês possam compartilhar informações.

Quando você conseguir uma presença de tamanho decente nas mídias sociais, apoiada em um sólido website, aponte as suas armas para os pesos-pesados da indústria, mas somente se estiver absolutamente confiante de que possui algo substancial para trazer à mesa de negociações.

Marco Fernandes

ProLucro Consultoria Empresarial

Related Post

Alguns vídeos que podem lhe interessar:

O que é e quanto custa um PLANO DE NEGÓCIO?
O que é e quanto custa um PLANO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL?
O que é e quanto custa uma AVALIAÇÃO DE EMPRESA?