vender uma empresaHá um velho ditado que diz: a pressa é inimiga da perfeição. Uma das situações em que a autenticidade desse dito popular se revela de forma mais cruel é na hora de se vender alguma coisa, principalmente na hora de se vender uma empresa. Quem tem pressa vende barato e, portanto, acaba ficando no prejuízo.Digamos que a sua empresa não esteja passando pela sua melhor fase e, depois de analisar friamente a situação, você conclua que a melhor opção seja mesmo vendê-la. Você faz um estudo preliminar, e descobre que o negócio no qual você investiu tantos recursos e tanto do seu tempo está, na realidade, valendo muito pouco dinheiro. Se você demorou a tomar essa decisão, esperou até o último momento, não haverá outra alternativa senão conformar-se com as suas perdas.

Seriam essas perdas inevitáveis, será que você não deixou passar a oportunidade de obter uma avaliação mais positiva para o seu negócio na hora de vendê-lo, possibilitando-lhe uma saída mais graciosa da indústria que você decidiu abandonar, seja em caráter temporário ou definitivo?

O fator chave no problema descrito acima é o tempo. Quando surge a necessidade definitiva de se vender uma empresa problemática, o tempo decididamente não está ao seu favor, e quanto mais cedo essa decisão for tomada, melhor. Ao antecipar ao máximo essa decisão, você ganhará um precioso tempo para por a casa em ordem, e obter uma avaliação muito mais positiva do seu negócio na hora de vendê-lo.

Leia mais:   O Estigma do Lucro

Mas você irá dizer, a empresa está muito ruim, o que você quer dizer com “por a casa em ordem”? A não ser que você esteja despejando a sua empresa em alguma espécie de ferro-velho, há uma infinidade de coisas que poderão ser feitas no sentido de se arrumar a casa. Em muitos aspectos, uma empresa é muito semelhante a um imóvel ou a um veículo, você desejará fazer uma pequena reforma no primeiro, ou uma revisão no segundo, antes de vendê-los, a não ser que pretenda conformar-se com os preços reservados pelo mercado a uma casa em ruínas ou a uma lata velha com os pneus carecas.

Procure devolver à sua empresa um ar de normalidade antes de tentar negociá-la. Todo esforço é válido na hora de torná-la mais atraente aos olhos de compradores potenciais. Enxugue o seu quadro de funcionários, se ele não for mais compatível com a fase de ouro que o seu negócio viveu no passado. Faça um esforço para entregar um armazém com as prateleiras razoavelmente abastecidas, para não dar a impressão aos interessados de que estão fazendo compras em uma liquidação. Mas o melhor sintoma de um “ar de normalidade” é, sem dúvida, quando você apresenta a qualquer avaliador um controle financeiro preenchido por um fluxo de caixa mínimo, indicando que apesar das dificuldades, a empresa avaliada não está morta, e que o capital continua girando em suas veias.

Leia mais:   A avaliação da empresa em tempos de crise no mercado

Enfim, nunca é demais insistir nesse ponto: se você vai mesmo vender o seu negócio, antecipe essa decisão o máximo que puder, e não deixe de consultar um profissional competente para orientá-lo sobre as muitas maneiras de otimizar a avaliação da sua empresa, e ajudá-lo a “arrumar a casa” antes de começar a receber a visita dos compradores potenciais, com vistas a obter o melhor preço possível.

Marco Fernandes

ProLucro Consultoria Empresarial

Alguns vídeos que podem lhe interessar:

O que é e quanto custa um PLANO DE NEGÓCIO?
O que é e quanto custa um PLANO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL?
O que é e quanto custa uma AVALIAÇÃO DE EMPRESA?