O óbvio para sua empresa sobreviver na crise( Parte 1 – A Percepção )

Tempos difíceis no Brasil. E 2017 vai continuar sendo para maioria das empresas. E o problema principal quase sempre é o mesmo, falta de dinheiro.

Para efeitos didáticos, vamos então dividir esse artigo em duas partes:

1 – A Percepção
2 – As Ações

A PERCEPÇÃO

A crise insolúvel é a precedida pela crise de percepção. Como resolver um problema se a pessoa sequer percebe que ele existe?

Vejamos um exemplo nas relações pessoais. Tem pessoas que são muito chatas, mas não se enxergam assim. Mesmo com os outros falando para elas todo dia. A pessoa não se sente chata. Pronto, ela não é chata. É um caso sem solução enquanto não resolver antes a crise de percepção, pois para ela deixar de ser chata, precisa enxergar isso primeiro como um fato e que se trata de um problema em suas relações pessoais.

Ou seja, é preciso superar a crise de percepção, enxergar que existe um problema. Só que isso é muito mais difícil do que parece. As pessoas não reconhecem boa parte dos problemas, em especial os que envolvem seu comportamento. E isso é mais evidente junto aos empresários, pessoas classicamente com autoestima elevada, autossuficientes e, por inevitável consequência, com boa dose de arrogância incluída no pacote de características pessoais.

Vamos então para o jeito que as pessoas, empresários em foco, lidam com dinheiro. Olhe para o seu passado e de alguns colegas. Não tem histórias repetidas aí? Pense nos extremos. Tem a turma que sempre está enrolada com dinheiro e tem a turma que sempre está tranquila com dinheiro. Quem sempre está tranquilo pode hoje nem estar tanto, mas viu a luz amarela piscar lá trás e já vem se virando. Seu problema, se é que existe, está bem atenuado e sob controle. Na outra ponta está quem, mesmo na bonança, vive descontrolado com o saldo bancário, é cliente assíduo dos bancos. E agora está em pânico.

Leia mais:   Meus adoráveis corruptos

O mundo não é preto e branco. Está cheio de tons de cinza aí no meio. Onde você está?

O primeiro passo é uma reflexão sobre sua relação com dinheiro. Poderia ser diferente? E esse diferente poderia ter evitado sua crise atual?

Mesmo com o leite derramado, mudar essa relação com o dinheiro imediatamente é essencial. Caso contrário, os demais esforços para sair da crise terão que ser muito maiores e às vezes em um nível impossível.

OS DEMAIS ESFORÇOS

Dinheiro é assim: 2 + 2 = 4; 6 – 4 = 2; 4 – 6 = – 2.

Ou seja, não tem milagre. Gastou mais que ganhou, empobreceu. E vice-versa. Se você tem reservas, parabéns, mas elas podem acabar. A regra em uma empresa é simples. Vejamos:

  • Lucro = Receita – Despesa
  • Receita = Quantidade de Produtos Vendidos (Bens ou Serviços) X Preço Médio dos Produtos Vendidos
  • Despesa = Custo Fixo da Empresa + Custo Variável dos Produtos Vendidos

Simples assim. Se sua conta está no vermelho, você tem que atuar em um ou mais desses componentes. Na prática, você tem apenas 4 coisas para fazer:

  • Vender mais produtos; e/ou
  • Subir o preço dos produtos; e/ou
  • Diminuir o Custo Fixo; e/ou
  • Diminuir o Custo Variável dos Produtos Vendidos

O óbvio para sua empresa sobreviver na crisePERCEBA ACIMA SUA MISSÃO. PARE DE SE ENGANAR.

É simples de entender. O problema é que é difícil, muito difícil de fazer. Mas não tem mágica. Você tem que perseguir uma ou mais dessas 4 soluções acima. E fim de papo. Não perceber o problema com clareza, simplicidade e objetividade torna impossível sua solução. Tudo que você fizer que NÃO tenha esse foco é apenas tapar o escaldante sol com a peneira. É se enganar. É passar o tempo procurando soluções para problemas que não existem na sua empresa. É a crise de percepção.

Leia mais:   Intraempreendedorismo: como ele pode ajudar a sua empresa a crescer?

Enfim, ou você foca essas 4 soluções e cria uma chance de sua empresa sair da crise, ou você:

  • Vende sua empresa antes que seja tarde; ou
  • Fecha sua empresa antes que as dívidas se acumulem mais; ou
  • Fica sentado esperando sua sorte mudar antes que você seja fechado (falência).

Óbvio demais? Que bom.

Agora liste as principais atividades no seu dia a dia e analise se elas estão dedicadas a quais das 4 soluções acima. Surpresas podem te esperar. Lembre-se que você ficar trabalhando no comercial a maior parte do dia não é o mesmo que vender mais. Vender mais é vender mais esse mês que o mês passado. E isso pode exigir o contrário: você “tirar a barriga do balcão”.

Na Parte 2 desse artigo, AS AÇÕES, vamos falar de forma prática em como focar e trabalhar nas 4 soluções.

Até lá, semana que vem.

flavio Flávio Barcellos
Especialista em consultoria em pequenas empresas, com 20 anos de experiência, tendo atuado pessoalmente em mais de 400 serviços. Especialista em programas de políticas públicas para pequenas empresas, com mais de 100 serviços prestados a órgãos públicos, associações empresarias, sindicatos e Sistema S. Consultor credenciado do SEBRAE. Engenheiro.

Alguns vídeos que podem lhe interessar:

O que é e quanto custa um PLANO DE NEGÓCIO?
O que é e quanto custa um PLANO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL?
O que é e quanto custa uma AVALIAÇÃO DE EMPRESA?