images

Resenha da pesquisa sobre remuneração e salário, feita por Flávia Negri Favarim, aluna da Faculdade Anhanguera de Piracicaba.

 

No atual mercado de trabalho, todas as pessoas que exercem uma função procuram receber uma contraprestação em troca, é desta forma que o trabalhador vende seu trabalho, seja ele manual ou intelectual, para o empregador, que paga em dinheiro ou em benefícios, pela prestação do serviço.

A remuneração pelo trabalho existe há muito tempo, sendo o trabalho sem remuneração considerado voluntário, porém, quando se fala em trabalho remunerado, este pode ser considerado um grande motivador para o trabalhador, pois com a remuneração que recebe ele consegue realizar seus desejos e necessidades.

 

Atualmente, muitos trabalhadores vendem seu trabalho em troca da remuneração para satisfazer somente suas necessidades básicas, mas há também os trabalhadores que buscam no trabalho, muito mais do que isso, buscam a satisfação pessoal e profissional, que é resultado de diversos agentes motivadores e benefícios encontrados no próprio mercado de trabalho.

 

A remuneração possui três variantes, a primeira seria o conjunto de parcelas contraprestativas recebidas dentro da relação empregatícia, a segunda, por sua vez, procura o estabelecimento de diferenças de conteúdo entre as expressões salário e remuneração baseada na natureza genérica da remuneração e na específica do salário, e a terceira, baseada em conceitos jurídicos, considera o salário como contraprestação empresarial que englobaria parcelas contraprestativas devidas e pagas pelo empregador ao empregado, em virtude da relação de emprego.

Leia mais:   Fatores que Influenciam o Aprendizado Organizacional

 

Entende-se, portanto, por remuneração a equivalência paga ao empregado, pelo empregador ou por terceiros, em virtude de uma atividade laboral estabelecida num contrato de trabalho e que abrange o salário e os benefícios. Já salário, corresponde à equivalência paga ao empregado, diretamente pelo empregador, em virtude de uma atividade laboral estabelecida num contrato de trabalho, constituindo-se somente da remuneração fixa.

 

A remuneração por competência busca identificar os conhecimentos, comportamentos e atitudes que os profissionais devem possuir para desempenhar melhor as suas funções na empresa, e desta forma, remunerá-los de forma personalizada, ou seja, para um mesmo cargo ou função, poderá haver salários diferentes.

 

Essas competências ainda podem ser genéricas, considerada aquelas que todos tem que desenvolver por serem necessárias a qualquer área ou processo da organização, neste caso temos: trabalho em equipe, qualidade nos serviços prestados, flexibilidade, visão sistêmica, etc.; e específicas, considerada aquelas que são centradas nos cargos existente na organização, e neste caso pode-se citar: agente de mudanças, agilidade, agressividade profissional, perspicácia, comunicação, iniciativa, inovação, negociação, planejamento, qualidade técnica, relacionamento interpessoal, visão de negócios, visão estratégica, entre outros.

 

A remuneração proporciona um sentimento de segurança, e define o padrão de vida da pessoa e de seus dependentes, funciona também como uma fonte de reconhecimento quanto a suas habilidades profissionais e desempenho dentro da organização, por isso, a remuneração deve proporcionar objetivos que levem os empregados a se esforçarem a alcançá-los, pois conseguir o comprometimento destes é sem dúvida o principal objetivo de uma organização preocupada com a gestão de pessoas e que quer se destacar no mercado.

Leia mais:   Por que as empresas fracassam

ProLucro

Related Post

Alguns vídeos que podem lhe interessar:

O que é e quanto custa um PLANO DE NEGÓCIO?
O que é e quanto custa um PLANO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL?
O que é e quanto custa uma AVALIAÇÃO DE EMPRESA?