dono do próprio negócioTendo em vista a crua realidade de que a maioria de novos pequenos negócios não são bem sucedidos, é evidente que a transição de empregado para dono do próprio negócio é uma dura travessia. A maioria dos proprietários de startups saem remando pelo oceano do empreendedorismo em uma frágil canoa, quando na realidade precisam de um sólido navio que os proteja dos tubarões, recifes e astutos piratas que os espreitam pelo caminho.

Se você considera de verdade mergulhar nesse mundo inteiramente novo, aí vão algumas dicas para amenizar essa problemática transição, e evitar as muitas armadilhas nela contidas.

Faça uma auto-avaliação antes de dar o primeiro passo.

Para que a sua nova jornada empreendedora seja bem sucedida, você precisa fazer aquilo que você gosta, aquilo que você sabe fazer ou ambas as coisas. Alguns especialistas vão dizer-lhe que é importante que você goste daquilo que faz. Mas e se você for um daqueles raros indivíduos que gosta de fazer dinheiro com aquilo que você sabe fazer? É importante avaliar tudo e decidir quais serão as suas metas globais.

Você deseja construir uma mega companhia que tenha você próprio na direção indefinidamente; ou entregar uma ou múltiplas companhias para serem tocadas por outras pessoas, permitindo que você viva despreocupadamente só desfrutando dos lucros? Talvez você simplesmente deseje juntar dinheiro suficiente desse empreendimento para lançar uma empresa mais cara mais à frente, que seja realmente a paixão da sua vida?

Leia mais:   Como escolher um nome para a sua empresa? (Parte 2)

Identifique os seus clientes antes de dar o primeiro passo.

Isso talvez não se aplique a todos. Se você prospera sob intensa pressão, contando com nada senão a sua inteligência e o seu charme para vencer uma batalha, talvez você possa atirar todo cuidado pela janela e ter consumidores gastando na sua primeira semana no mercado. Mas a maioria das pessoas irão quebrar sob a pressão, e irão desejar ter planejado tudo com calma e ter ao menos um cliente para começar a fazer a bola rolar.

Aprenda a viver nos limites de um orçamento.

Seja se você estiver começando totalmente sozinho, já tenha financiamento externo, ou esteja mergulhando de cabeça com todas as suas economias; aprenda a manter-se no orçamento. Os dois primeiros anos são os mais difíceis, com muitas despesas inesperadas e lições financeiras a serem aprendidas.

Poucos de nós possuímos a visão necessária para prever a chegada de muitos desses imprevistos, mas se você tocar o seu negócio sob um orçamento apertado, quem sabe até alocando uma poupança para essas contingências, você será capaz de transformar débitos em lucros de forma mais rápida.

Pare de procurar desculpas para tudo.

Isso é algo um tanto óbvio, portanto não é preciso insistir no fato de que você precisa parar de apresentar desculpas – a todos. Seja responsável. Quando você sentir que estiver recaindo nessa trilha, pare e pense em uma solução, em vez de ficar procurando por culpados ou tentando justificar-se.

Saiba o momento de dar um tempo.

Leia mais:   Contratar uma consultoria especializada vale a pena para sua empresa?

Dê uma descansada, quando precisar. Você precisará, de fato, trabalhar mais do que quando era empregado, mas isso não significa que você nunca possa afastar-se da sua mesa, ou do seu escritório. A maioria das pessoas tem algo em torno de 30 a 90 minutos de alta produtividade antes de precisarem de uma pausa mental ou física. Considere agendar um tempo para uma soneca.

Ser um perfeccionista não é legal.

Aprenda o valor da regra 80/20. Compreenda como ela funciona. Não gaste 80% do seu tempo tentando aperfeiçoar 20% do seu potencial. Você precisa gastar 80% do seu tempo tendo novas idéias, cultivando novos clientes, criando novos produtos, contratando pessoal novo e inovador, buscando novas oportunidades de parcerias, etc., a fim de obter esses 20% de cada um deles, que terão um verdadeiro impacto em seu negócio.

O perfeccionismo muitas vezes traduz-se em excesso de planejamento, repetição desnecessária de tarefas e revisões, adicionando ao processo produtivo do seu negócio um elemento devorador de tempo, seja qual for a natureza da sua empresa. O excesso de foco pode estar roubando-lhe um tempo precioso que poderia ser utilizado na geração de novas idéias.

Não tenha ilusões megalomaníacas.

Muitos “empreendedores de sucesso” enchem a blogosfera com as suas dicas extraordinárias, onde você é aconselhado a pedir demissão do seu emprego, sonhando em trabalhar umas poucas horas na segunda-feira, e depois folgar o resto da semana para ir pescar e divertir-se. Iniciar um novo negócio não é moleza. Ao contrário de certas pessoas, pode ser que você não tenha a disciplina mental para obter o fantástico retorno de investimento alcançado por alguns, trabalhando entre 60 e 80 horas semanais.

Leia mais:   A participação do contador no plano de negócios

Esteja preparado para trabalhar duro a fim de estabelecer a sua marca – e possivelmente fracassar algumas vezes – antes de diminuir o ritmo e poder operar em uma agenda mais confortável. Esteja preparado para investir ao menos cinco anos de tempo regular. Isto é, se você sobreviver aos tumultuosos dois primeiros anos.

Você terá de parar de dizer “sim” a todo mundo.

Às vezes você precisará dizer “não” a um cliente, empregado, investidor, membro da sua família, etc. Você de fato precisa atender a todo mundo, mas às vezes você não poderá dar a um certo cliente o prazo de 24 horas que ele lhe pediu; a sua funcionária não pode simplesmente faltar ao trabalho amanhã por que esqueceu-se de uma consulta médica; pode ser que você perca a partida de futebol das suas crianças na semana que vem, se o servidor do seu escritório travar na hora errada. Esses e muitos outros cenários irão persegui-lo quando você tornar-se um empregador.

Marco Fernandes

ProLucro Consultoria Empresarial

Alguns vídeos que podem lhe interessar:

O que é e quanto custa um PLANO DE NEGÓCIO?
O que é e quanto custa um PLANO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL?
O que é e quanto custa uma AVALIAÇÃO DE EMPRESA?